top of page
  • Marcos Cintra

A dolarização equatoriana

A decisão de dolarizar uma economia não é uma decisão fácil, mas no Equador foi uma consequência natural e evolutiva da economia, escreve Marcos Cintra.


Em 2000, num esforço para estabilizar a economia e combater a inflação, o Equador tomou a decisão surpreendente e histórica de dolarizar o país, seguindo a experiência do Panamá, que desde 1903 já usava o dólar como moeda corrente. Entender as razões que levaram a essa escolha e como funcionou esse processo é fundamental para compreender a situação econômica atual do Equador e seu paralelo com a situação argentina.


Neste artigo, darei um voo de pássaro sobre a dolarização no Equador em 2000, analisando os passos que levaram à adoção do dólar, as mudanças que isso causou na economia do país e as consequências para a população.


A decisão de dolarizar uma economia não é uma decisão fácil, mas no Equador foi uma consequência natural e evolutiva da economia, que praticamente já adotava um modelo de moeda dual, com a concomitante expansão do uso do dólar com a moeda local, o Sucre.


Existem várias razões pelas quais um país pode escolher seguir esse caminho, tais como:


Estabilização econômica – o dólar é uma moeda estável e de aceitação universal. Países com economias voláteis podem optar pela dolarização na busca de estabilidade e segurança.


Combate à inflação – em situações onde a inflação local está fora de controle, a dolarização pode ser uma maneira eficaz de evitar a hiperinflação ao impedir que a autoridade monetária local sancione, via emissão monetária, as pressões inflacionárias subjacentes.


Atrair investimentos – o uso de uma moeda conhecida e respeitada pode dar mais confiança aos investidores estrangeiros, fomentando o investimento, o crescimento econômico e evitando riscos cambiais.


O Equador viu-se no meio de uma crise econômica devastadora no final do século 20, com a inflação atingindo níveis insustentáveis, e a moeda local, o sucre, perdendo valor rapidamente. Diante disso, a decisão tomada no início de 2000 foi radical, porém necessária, para estabilizar a economia. A decisão de dolarizar foi recebida com surpresa, e gerou forte oposição. Mas era vista como única solução realista para conter a crise.


O governo comprou de volta sua própria moeda a uma taxa fixa. Um novo sistema bancário teve que ser estabelecido e a gestão econômica do país teve que se adaptar a metas de inflação e políticas fiscais dos EUA, o emissor do dólar.


Os impactos socioeconômicos da dolarização foram significativos, como pode ser visto na tabela abaixo, com dados do Banco Mundial.


Inicialmente, houve uma retração na demanda interna, rapidamente superada. Em seguida, a dolarização estabilizou a economia e a inflação caiu rapidamente.



Hoje, mais de 20 anos depois, e após as complicações iniciais e os desafios contínuos, nota-se que a dolarização ofereceu ao Equador uma medida de estabilidade numa época de enorme incerteza. Embora esta não seja uma solução viável para todos os países, o Equador é um exemplo interessante de como políticas macroeconômicas fortes podem influenciar a direção de uma economia nacional com a criação de âncoras críveis e o afastamento de influências políticas desestabilizadoras.


Mas a mudança implicou custos não triviais. Os desafios foram grandes, dentre eles a carência de dólares para substituir a moeda local. Essa escassez de dinheiro afetou profundamente a economia do país, causando uma grave recessão. A inflação disparou e o desemprego aumentou, criando um período de adversidade econômica. Com o passar do tempo, contudo, muitos começaram a ver os benefícios da medida, principalmente em termos de estabilização monetária. Outra consequência foi a transformação da estrutura de preços no Equador. Com a substituição da moeda local pelo dólar, os preços tiveram que ser ajustados, o que, na prática, significou um aumento no custo de vida para muitos equatorianos.


Para tentar minimizar o impacto da inflação e manter o poder aquisitivo da população, o governo equatoriano adotou uma série de medidas. Entre elas, a implementação de um controle de preços temporário em alguns produtos básicos e a negociação de aumentos salariais com sindicatos. No entanto, essas medidas tiveram efeitos limitados e muitos cidadãos tiveram que enfrentar um período de ajuste econômico complexo e desafiador. A população mais pobre e as pequenas empresas foram particularmente afetadas pela dolarização, pois tiveram que lidar com a volatilidade dos preços e a redução do acesso ao crédito. Além disso, como o dólar é uma moeda forte, o Equador perdeu competitividade em suas exportações, afetando negativamente setores-chave da economia. Na conta-corrente do balanço de pagamentos, a dolarização causou um aumento nas importações, gerando déficits na balança comercial. Em relação à conta de capital, a dolarização teve um efeito estabilizador, atraindo investimentos estrangeiros e aumentando a confiança dos investidores.


Apesar desses desafios, o governo perseverou na sua missão de dolarizar a economia com a finalidade de apresentar um ambiente mais estável para o desenvolvimento do Equador. A rápida recuperação da economia após a adoção do dólar americano foi notável. A taxa de crescimento do PIB, que em 1999 foi negativa e muito baixa no ano da dolarização, se recuperou a partir de 2001.


Porém, o futuro ainda retém incertezas. A dolarização adequada requer uma economia forte e resiliente que consiga se adaptar a choques e instabilidades mesmo sem a ferramenta da política monetária. Intrigantemente, é nesse ponto que o Equador surpreendeu. Se a dolarização permanecerá benéfica ao Equador no longo prazo ainda é uma pergunta em aberto, mas certamente é um caso que merece atenção.


 

Marcos Cintra, 78 anos, é doutor em economia pela Harvard University (EUA). É professor titular e vice-presidente da Fundação Getulio Vargas (FGV). Foi secretário especial da Receita Federal.

Comments


Topo

NOVOS ARTIGOS:

bottom of page