top of page
  • Marcos Cintra

Integrar é preciso

A inovação é um conceito que não foi bem assimilado pela sociedade brasileira ao longo das últimas décadas. Criaram-se algumas ilhas de excelência tecnológica, mas falta um sistema articulado de inovação no país. Não há um processo integrado, capaz de impor maior produtividade aos recursos aplicados em pesquisas. Faltam ligações entre os atores do processo. Ou seja, predomina uma visão linear do processo em detrimento de uma visão sistêmica.


O efeito da falta de integração entre os atores do sistema de inovação se reflete na péssima colocação brasileira no relatório Global Innovation Index, que classifica 128 países em 2016 com base na comparação entre eles de itens definidos como insumos para a inovação e os seus produtos. São listados países de alta, média e baixa renda. No caso brasileiro, a comparação mais adequada é com economias emergentes, e um caso interessante é a China. No geral, os chineses ficaram na 25ª posição e o Brasil no 69º lugar.


No item instituições, o Brasil fica à frente da China, que tem má avaliação devido a seus entraves políticos e regulatórios. O maior problema brasileiro nesse quesito refere-se ao ambiente de negócios burocrático.


Em relação ao quesito capital humano e pesquisa, a situação brasileira em relação à China é muito desfavorável, com destaque negativo para a péssima posição do país nos componentes educação e ensino superior, ainda que nesse último elemento a situação chinesa também não seja favorável.


Em infraestrutura em geral, o Brasil fica muito atrás da China. Os chineses têm uma situação pior que a brasileira no item tecnologia da informação.


No elemento relacionado aos negócios, o Brasil fica atrás na qualificação dos trabalhadores e na absorção de conhecimento. A pior situação chinesa está nas ligações de informações entre as universidades e o setor produtivo.


Em termos do resultado do processo de inovação, a situação brasileira é vexatória. O país tem péssima avaliação em termos de difusão, impacto e criação de conhecimento. Os chineses se destacam em relação a esses elementos, ficando entre os primeiros no ranking.


Em termos de produção criativa, a situação brasileira é melhor que a chinesa, devido à péssima posição daquele país em termos de criatividade online, uma vez que na China há severas restrições de acesso às redes sociais.


Em todos os itens que a inovação contempla, o Brasil mostra severas deficiências. O exemplo comparativo com a China revela que o país tem um longo caminho a percorrer. Mudar esse quadro vai além de medidas pontuais. A saída é integrar governo, empresas e universidades.


Inovar deve ser pensado em um cenário marcado pela interação entre capital, conhecimento e empreendedorismo. Esses elementos devem atuar em um ambiente que seja capaz de captar suas ações e integrá-las para que haja eficácia em termos da produção de inovação, fator cujo peso é preponderante para o desenvolvimento econômico sustentado.

Comments


Topo
bottom of page