top of page
  • Marcos Cintra

Confira a lista dos Twitter Files


Equipe responsável por divulgar arquivos da plataforma afirma que censura teve ao menos 9 vítimas no país.


Durante a sessão do Senado sobre o caso Twitter Files Brazil, ocorrida nesta quinta-feira, 10, os jornalistas Michael Shellenberger e David Ágape apresentaram um resumo da investigação. Eles exibiram um slideshow com os principais pontos, incluindo uma lista de pessoas e veículos de comunicação que foram censurados pelo Judiciário brasileiro.


A equipe responsável pelos Twitter Files identificou cerca de 80 personalidades e empresas que foram punidas por expressar suas opiniões nas redes sociais.


Enquanto fazia a introdução, Ágape mencionou que não é possível saber o número total das contas que foram censuradas no Brasil, pois o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não libera o acesso a esses dados. No slide, obtido por Oeste, estão listados nove censurados e os conteúdos que levaram às medidas impostas. São eles:


• Luciano Hang (empresário) – Criticou uma matéria do jornalista Guilherme Amado em um grupo de WhatsApp;

• Homero Marchese (político) – Supostamente divulgou o banner de um evento em Nova York, nos Estados Unidos, que revelava a localização de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF);

• Jovem Pan (rede de comunicação) – Mencionou a condenação de Lula, recebeu multas diárias e foi proibida de usar termos e palavras que pudessem “afetar a honra” do petista;

• Gazeta do Povo (jornal) – Expôs o apoio de Lula ao presidente da Nicarágua;

• O Antagonista (jornal) – Fez uma reportagem sobre um membro de facção criminosa;

• Revista Crusoé – Publicou a reportagem “Amigo do Amigo do meu Pai”, sobre Dias Toffoli;

• Brasil Paralelo (produtora) – Produziu o documentário Desordem Informacional;

• Bruno Aiub (Monark) – Supostamente “espalha desinformação” nas redes sociais;

Marcos Cintra (político) – Cobrou a transparência eleitoral e fez perguntas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).



Em 2022, a ex-juíza Ludmila Lins Grilo teve suas contas no Twitter/X retidas por criticar gestões estaduais durante a pandemia de covid-19 e por “fomentar o ódio” nas redes sociais. O jornalista Bernardo Kuster teve suas redes sociais suspensas pela mesma justificativa. Twitter Files expõem complexo da censura no Brasil Ao longo da apresentação, os jornalistas também explicaram que o “complexo da censura” no Brasil gira no entorno de três eixos: Alexandre de Moraes, governo Lula e Congresso Nacional. No eixo Moraes, o STF e o TSE são citados como órgãos dessa teia. Os inquéritos conduzidos por Moraes são associados às duas instituições.


Sobre o governo Lula, a atuação se dá pela Procuradoria Nacional da União em Defesa da Democracia, chamada nas redes sociais de “Ministério da Verdade”. Já no Congresso, a censura se daria na aprovação do Projeto de Lei 2.630/2020, o PL da Mordaça.





Comments


Topo
bottom of page