top of page
  • Marcos Cintra

O arrocho crescente sobre a classe média

O governo Lula favorece os ricos de um lado, mas compensa os pobres do outro. Pratica-se uma política positiva nos dois extremos da pirâmide econômica, no topo e na base. Porém, o custo disso para a classe média mostra-se crescente.


O resultado do Tesouro Nacional referente ao período de janeiro a julho de 2007 revela alguns dados importantes. O saldo primário do governo central se expandiu, dando a impressão de maior capacidade de solvência do país, o que é muito bom. Relativamente ao PIB, o superavit primário aumentou de 3,19% para 3,35%, crescendo nominalmente de R$ 41,5 bilhões para R$ 47,7 bilhões.


Surpreendentemente, no entanto, no mesmo período, a dívida líquida total do Tesouro Nacional cresceu, ao invés de encolher, de 23,2% para 26% do PIB, o que é muito ruim. O aumento fica mais dramático quando se considera que, na composição da dívida líquida total, a dívida externa caiu de R$ 140,6 bilhões para R$ 115,5 bilhões, o que evidencia a explosiva elevação da dívida interna líquida, de R$ 379 bilhões em julho de 2006 para R$ 520 bilhões no mesmo mês de 2007, um crescimento de mais de 37% no período.


Vale lembrar que a elevação do superavit primário ocorreu durante um período de forte crescimento dos gastos do governo central. No período janeiro-julho entre 2006 e 2007, as despesas saltaram de 16,25% para 16,75% do PIB, um expressivo aumento de meio ponto percentual. Nominalmente, as despesas aumentaram 12,87%.


O aumento do superavit primário, portanto, é o resultado de um enorme sacrifício para a sociedade brasileira, pois as receitas do governo central aumentaram ainda mais que as despesas, passando de R$ 240 bilhões entre janeiro-julho de 2006 para R$ 271,7 bilhões no mesmo período de 2007. O aumento na receita foi de 13,2%, contra 12,9% das despesas, levando à absorção, apenas pelo governo central, de 23,5% do PIB em 2006 e de 24,3% do PIB em 2007. Ou seja, no período em questão, o poder público federal absorveu 0,8 ponto percentual a mais da riqueza nacional.


Vêem-se, portanto, dois fatos preocupantes: em primeiro lugar, que o superavit primário aumentou por conta de novas elevações das receitas, e não da parcimônia nas despesas, como seria desejável. Em segundo lugar, que, mesmo com o aumento do saldo primário do governo central, a dívida líquida não caiu, pelo contrário, aumentou.


O governo continua gastando muito, sempre mais e, dizem alguns, cada vez pior. Esses dados preocupam e merecem uma reflexão.


O resultado da política econômica do presidente Lula é o achatamento da classe média, pagadora de impostos e que se vê forçada a suportar uma crescente e asfixiante carga tributária.


A corda sempre estoura em algum ponto. Resta saber até quando a classe média suportará tanto arrocho.


---

Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque é doutor em Economia pela Universidade de Harvard (EUA), professor titular e vice-presidente da Fundação Getulio Vargas.


Comments


Topo

NOVOS ARTIGOS:

bottom of page