Buscar
  • Marcos Cintra - Folha de S.Paulo

O erro de tributar fortunas

A questão tributária tem sido campo fértil para a procriação de mitos. Alguns estão sendo corroídos por avanços teóricos -como a teoria da tributação ótima- e pela constatação da validade de velhos preceitos, como os postulados da teoria do "second best".

Mitos como o da superioridade alocativa dos impostos sobre valor adicionado relativamente aos impostos cumulativos e dos impostos diretos sobre os indiretos começam a ser questionados.

Da mesma forma, o prestígio crescente dos economistas institucionalistas, como Coase, North e Buchanan, todos prêmios Nobel, mostram que a economia é uma ciência social atada ao perfil das instituições presentes em cada país.

Um exemplo desta tendência é a receptividade do Imposto Único, que reflete a necessidade de se avaliar os sistemas tributários não apenas quanto às suas premissas teóricas, mas cotejá-las com a realidade cultural e institucional da economia brasileira.

E nesta comparação fica evidente o descasamento entre os postulados acadêmicos maximizantes que lhe dão origem e a reduzida eficácia destes modelos na prática.

Nesta semana, outro mito tributário ameaça comprometer a validade dos entendimentos entre a CUT e a Fiesp.

O primeiro ponto de concordância entre elas foi a necessidade de tributar as grandes fortunas. É a afirmação do mito segundo o qual os "estoques" de riqueza são bases tributárias eficientes e justas.

Equívoco. A base tributária adequada são os "fluxos" geradores de bens e serviços. Estoques não geram benefícios adicionais à sociedade.

Esse tributo teria apenas o propósito de punir os ricos, desestimular a formação de capital e frear a geração de emprego e renda. O exemplo das sociais-democracias européias e a revisão de conceitos tributários por que passam no momento atestam estas conclusões.

A Fiesp já caiu em uma esparrela quando propôs o imposto de vendas cobrado na ponta do varejo. Que tenha cuidado para não cair em outra.

Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque, doutor em Economia pela Universidade de Harvard (EUA).

Download PDF

#ARTIGOS #Folha #1995