Buscar
  • Marcos Cintra - Folha de S.Paulo

Os travestis do liberalismo


Roberto Campos já nos alertava sobre a debilidade da fé dos recém-convertidos. É o que acontece com alguns dos "novos liberais", incrustados nas alas dos vários partidos.

Defendem a doutrina do liberalismo social. Mas na decisão sofrem recaídas de doenças como a síndrome do estatismo, o mal do fisiologismo e crises intermitentes de populismo.

Ressalvada a autenticidade ideológica das principais lideranças do PFL, é estarrecedora a truculência de alguns pseudoliberais daquele partido.

Na defesa de seus feudos eleitorais, eles pedem a cabeça dos presidentes da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, por quererem fechar agências deficitárias.

Ao primeiro arranhão, o fino verniz liberal se transforma em coronelismo, digno do empedernido clientelismo político.

Mas o ilusionismo político permeia outros lados do espectro ideológico. Sob o manto do legalismo, surgem formas de protelação e imobilismo, encontradas em todos os partidos.

A Comissão Especial que analisa as reformas no transporte de cargas e de passageiros alardeia modernidade, mas mantém a exclusão do capital externo na cabotagem.

Alegando necessidade de leis complementares, os inimigos da abertura da economia contam com o imobilismo parlamentar para perpetuar os monopólios públicos na distribuição de gás e telecomunicações.

Neste vergonhoso jogo, partidos distanciados no espectro doutrinário, como o PMDB e o PPS, tornam-se aliados circunstanciais.

O único passo à frente nas reformas constitucionais foi a eliminação da discriminação contra empresas estrangeiras. Mesmo assim carece de regulamentação para valer nos setores de mineração e de energia.

Em suma, um autêntico faz-de-conta. Se a tônica e o andamento das reformas constitucionais forem estas, há pouca esperança de mudanças efetivas. No máximo será mais uma demão de tintura liberal, enquanto por baixo prossegue a corrosão institucional.

É fácil se dizer liberal e moderno; difícil é agir como tal.

Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque, doutor em Economia pela Universidade de Harvard (EUA).

Imprimir | Download PDF

#ARTIGOS #Folha #1995